Você por acaso já parou para pensar no quanto o ambiente de trabalho mudou na últimas décadas?

Com a chegada dos computadores, a popularização da internet e, mais recentemente, o boom da cloud computing, a realidade se transformou completamente. E como cada evolução acelera a próxima, imagine o quanto o mundo corporativo pode mudar daqui para frente!

Para ajudá-lo a se preparar, resolvemos listar aqui 8 tecnologias nas empresas que mudarão seu trabalho. Está pronto para viajar no tempo? Então vamos lá!

1. Internet das Coisas

Começamos essa viagem para o futuro corporativo por uma tendência que já vem transformando a gestão operacional em empresas ao redor do mundo — principalmente aquelas que querem sair na frente da concorrência ao aplicar a tecnologia e explorar a transformação digital.

Os dispositivos conectados transformarão tanto ambientes físicos como remotos de trabalho, formando uma rede integrada completamente automatizada para a coleta de dados, o armazenamento de documentos e a análise de resultados.

Além de dispositivos de infraestrutura conectada, os wearables mudarão a forma como cada pessoa lida com sua rotina profissional. Afinal, serão capazes de monitorar a produtividade, exibir relatórios de progresso e até sugerir formas de otimização de funções. E já que falamos sobre o assunto, saiba: essa capacidade de monitoramento pode ir bem além na próxima década!

Os wearables também serão conectados a sistemas de análise de saúde e segurança, melhorando a performance pessoal e diminuindo os gastos empresariais com problemas físicos e mentais.

Tais dispositivos poderão identificar, por exemplo, se o funcionário está estressado ou fatigado. Será possível até criar rotinas de trabalho baseadas nos hábitos e no perfil metabólico das pessoas, aumentando a produtividade sem abrir mão do bem-estar.

2. Trabalho remoto

Mas quem foi que disse que tudo isso só será possível dentro do escritório? Na verdade, o trabalho remoto já é viável nos dias de hoje via plataformas mobile e cloud computing. E essa deve ser a regra para os próximos anos.

Depois de milênios de trabalho baseado em jornadas, a tecnologia está permitindo que a vida profissional seja uma extensão da pessoal, sem o comprometimento de nenhum âmbito, com muito mais flexibilidade e poder de escolha para o trabalhador.

Nesse contexto, o que ainda falta para as empresas é um detalhe: pensar em métodos mais precisos e justos para a qualificação e a quantificação do trabalho longe das vistas do gestor. Para tanto, entrarão em cena tecnologias aplicadas como inteligência artificial, Internet das Coisas e cloud computing a fim de solucionar esse problema no futuro.

3. Big Data

Big Data e mineração de dados: essas talvez sejam as mudanças mais profundas no mundo corporativo como o conhecemos hoje. Pode apostar: e dupla será suficiente para transformar o modo como gestores, diretores e empreendedores criam e implementam estratégias de negócio.

Desde os primeiros computadores, na metade do século passado, a capacidade de armazenamento e análise de dados cresce de forma exponencial — tanto que já estamos entrando na era da própria informação como negócio! Aí entra o Big Data.

Na prática, o Big Data é fonte riquíssima para a tomada de decisões pontuais, como a procura por aquele perfil de candidato ideal para preencher determinada vaga, até escolhas bem maiores, como a definição de modelos econômicos de um país.

4. Inteligência artificial

No fim das contas, no entanto, é simplesmente impossível para qualquer ser humano extrair, em tempo hábil, dados tão valiosos de um volume imensurável de informações sem ajuda tecnológica. Exatamente para isso, as inteligências artificiais serão vastamente exploradas dentro das empresas.

No futuro, a computação baseada em conexões neurais pode substituir as reuniões estratégicas. Com tantas possibilidades e oportunidades de mercado a serem interpretadas pelo Big Data, o planejamento humano se tornará inviável para manter a competitividade no mercado.

Em poucos anos, as inteligências artificiais podem ser nossas gestoras. É claro que nada substituirá tão cedo o feeling humano para o negócio, mas tomar decisões sem consultar uma fonte de dados será um risco muito grande para empreendedores e diretores ignorarem.

5. Automação de empregos

Essa transformação será sentida em todos os setores corporativos, do recepcionista ao CEO. Aliás, muitos especialistas até já apontam que, em 10 anos, boa parte dos empregos de menor capacitação serão substituídos pela robótica e pela inteligência artificial. Mas isso não significa que os empregos vão sumir e sim que os trabalhadores terão que ser mais gestores e analistas que meros cumpridores de tarefa.

Em alguns países, a inclusão de aulas de programação dentro das escolas já é discutida, o que indica a crescente necessidade dessa capacitação para o futuro. No emprego do século XXI, as tarefas repetitivas dentro de escritórios darão lugar ao pensamento lógico e estrategista de funcionários produtivos em absolutamente qualquer lugar.

6. Realidades virtual e aumentada

Pensando em como será essa interface entre humanos e tecnologia em empresas em que as inteligências artificiais gerenciam sistemas e criam estratégias de negócio, talvez as realidades virtual e aumentada sejam as melhores apostas para o futuro.

Enquanto a realidade virtual criará métodos de treinamento imersivo mais eficazes e permitirá que funcionários e diretores entrem em contato direto com seu produto, a realidade aumentada facilitará o trabalho, permitindo a manipulação de dados, documentos digitais e protótipos via interfaces holográficas.

7. Gamificação corporativa

A dinâmica profissional de treinamentos, capacitação, produtividade e otimização do trabalho já está sendo impulsionada pela gamificação corporativa. Com os videogames se tornando cada vez mais reais, mecânicas e incentivos produtivos vão se aproximar dessa estrutura até se encontrarem.

É fato: a inclusão da tecnologia no trabalho permitirá que a motivação esteja cada vez menos atrelada ao salário e mais ligada a incentivos, metas e uma visualização clara de objetivos de crescimento.

8. Protocolo blockchain

E uma vez que falamos em salário, podemos terminar esta lista com uma transformação muito mais profunda que afetará o trabalho no futuro: a descentralização da moeda e a pulverização da economia. Você já ouviu falar em Bitcoin? Pois esse é apenas o começo da revolução.

O protocolo blockchain vai popularizar a troca de valores independentemente de sistemas regularizadores arbitrários, tornando a qualificação do trabalho mais subjetiva e direta entre empregador e empregado.

Como você pôde ver, as tecnologias que citamos aqui representam não só uma mudança de hábitos ou rotinas, mas uma completa reconstrução da forma como o ser humano lida com o trabalho. E se você pretende estar adaptado a essas mudanças quando o futuro chegar, é bom se preparar desde agora!

Por fim, vale lembrar que o mais importante é se informar. Então que tal ajudar os colegas nessa missão? Compartilhe este post em suas redes sociais e converse sobre o assunto a fim de buscar soluções para que a chegada dessas tecnologias nas empresas seja uma oportunidade de crescimento!

(Visited 268 times, 1 visits today)

Tags