Além de oferecer bons produtos e serviços, o que garante o sucesso e a sustentabilidade de um negócio são as boas práticas de gestão. Em setores altamente competitivos, como o agronegócio, boas estratégias e ferramentas são o que conferem o diferencial competitivo aos produtores. Portanto, é essencial profissionalizar a administração da propriedade para não ficar atrás da concorrência.

No post de hoje, vamos mostrar como melhorar a gestão na propriedade rural, respeitando as características próprias desse tipo de negócio e utilizando práticas já consolidadas na gestão de empresas tradicionais. Confira!

A importância da boa gestão em propriedade rural

Como falamos, o agronegócio tem características e riscos particulares, os quais precisam ser analisados e prevenidos com uma gestão própria. Nesse sentido, os principais pontos de atenção tem a ver com a gestão de pessoas, o cuidado logístico com transporte e armazenagem e, principalmente, o controle rígido sobre as movimentações financeiras do negócio.

Via de regra, uma boa gestão de propriedade rural deve ser baseada em um planejamento estratégico, com o objetivo de garantir que a unidade consiga prever e diminuir riscos de impactos, como a variação de cotações para a venda ou compra de insumos, problemas relativos a um clima pouco favorável à produção e mesmo para evitar desperdícios e perda de investimentos em equipamentos.

5 boas práticas para melhorar a gestão na propriedade rural

Se a base de uma boa gestão é o planejamento estratégico, este deve partir de um profundo conhecimento dos gestores sobre a propriedade rural. Para isso, é importante que sejam utilizadas ferramentas de controle baseadas em dados e documentos, e não na intuição. Então, siga os seguintes princípios.

1. Acerte na gestão de pessoas

Embora o campo esteja cada vez mais tecnológico, com máquinas e ferramentas que diminuem a necessidade de várias pessoas no dia a dia da propriedade rural, não há dúvidas de  que o fator humano é decisivo para a boa produtividade de uma fazenda. A gestão de pessoas, portanto, é fundamental para garantir um bom equilíbrio entre investimento e produção, bem como para melhorar o ambiente de trabalho.

Aqui, o primeiro ponto deve ser a definição clara de cargos e tarefas de cada equipe ou funcionário. Assim, a propriedade rural terá uma hierarquia clara de responsabilidades e deveres, ao mesmo tempo que se consegue definir a correta remuneração dos funcionários.

É importante que o trabalho dos trabalhadores possa ser mensurado por produtividade, dando subsídios para que os gestores consigam identificar a necessidade de capacitação dos profissionais ou mesmo para a montagem de equipes com maior sinergia.

2. Padronize processos

Padronizar processos significa estabelecer as práticas de rotina ideais para aumentar a produtividade e combater riscos durante a produção. É importante que esses “manuais” sejam baseados em dados técnicos, definindo quais tipos de insumos, técnicas e procedimentos são ideais para a sua propriedade rural.

No campo, o cuidado com a montagem de um calendário é também decisivo na padronização de processos. Afinal, o plantio e colheita, ou a criação e abate, seguem uma temporalidade própria do agronegócio, que deve ser entendida e respeitada.

Aqui, é importante que o calendário de produção leve em conta a possibilidade de mudanças de planos, causadas principalmente por eventos climáticos fora da curva. Meses mais chuvosos que o previsto, por exemplo, podem impactar negativamente a produção e, portanto, é preciso que o planejamento leve em conta a possibilidade dessa flutuação. Assim, os gestores conseguem criar estratégias para minimizar os danos.

3. Trabalhe com métricas

Como falamos, uma boa gestão na propriedade rural deve se apoiar em números reais, garantindo que o diagnóstico da produção seja preciso e, assim, ofereça base para um planejamento estratégico correto.

Elencar métricas de produção essenciais para a sua empresa, portanto, é um passo básico. Não se trata, no entanto, de apenas anotar a quantidade produzida ao final do ciclo produtivo, mas de expandir esse controle para outras áreas.

Já citamos a importância de monitorar a produtividade dos funcionários, mas os gestores também precisam analisar o uso de equipamentos agrícolas, por exemplo, a partir de métricas como o tempo médio que tratores ficaram parados à espera de conserto ou mesmo o índice de desperdício durante o transporte da produção.

4. Controle cada movimentação financeira

Um dos maiores desafios para gestores é conseguir fazer um controle eficiente das movimentações financeiras da propriedade rural. Isso acontece porque elas são originadas em processos bastante diversos, que envolvem a contratação de pessoal (seja fixo ou temporário, em especial no momento da colheita), a compra de insumos e matéria-prima, a compra e manutenção de equipamentos e mesmo a contratação de consultorias técnicas.

O segredo para não se perder em meio a tantas contas é organização. É preciso que cada gasto seja analisado e separado de acordo com a sua natureza. Dessa forma, os gestores conseguem identificar se há gastos excessivos com o estoque, por exemplo, ou se o maquinário antigo já vem elevando demais os custos de manutenção a ponto de ser mais estratégico e econômico investir em novos equipamentos.

5. Utilize a tecnologia como aliada

Como o volume de informações que devem ser analisadas por gestores é grande, organizar cada um desses dados de forma manual ou com o apoio de planilhas pode ser uma estratégia bastante frustrante.

Por isso, vale a pena investir em soluções tecnológicas para garantir tanto o correto armazenamento das informações como o fácil acesso a elas. Utilizar um software de gestão de documentos e assinatura eletrônica, por exemplo, acelera e assegura o processo, já que a organização passa a ser feita de maneira rápida e automatizada.

Além disso, esse tipo de serviço pode ser baseado em nuvem, o que significa que os dados podem ser acessados por pessoas autorizadas de qualquer dispositivo conectado à internet. Ou seja, os gestores conseguem monitorar a propriedade rural mesmo que estejam em trânsito ou em outras unidades, simplesmente acessando o banco de dados por um celular, por exemplo.

Investir em assinatura eletrônica para enviar e receber documentos importantes, como propostas de negócios, cotações ou mesmo fechamentos de contratos, também agiliza a gestão e diminui a burocracia do negócio, reduzindo custos com impressão e transporte de documentos.