Considerada por muitos como a mais importante inovação dos últimos anos, a blockchain tem se mostrado como um grande passo em direção à transformação digital, adicionando uma segurança inédita aos ambientes virtuais. Essa tecnologia, que garante valor às criptomoedas, tem a capacidade de dar confiabilidade para uma variedade infinita de transações eletrônicas.

Para isso, utiliza, em conjunto, dois conceitos aparentemente contraditórios: o sigilo e a publicidade. Apesar de parecerem paradoxais, é a união dessas duas características que torna fidedignas as transações realizadas via blockchain.

Se você ainda não sabe como ela funciona, não tem problema. Neste artigo, levantamos as principais informações sobre a blockchain, para que você entenda como criptomoedas e outros documentos eletrônicos se tornaram mais confiáveis por meio dela.

O que é a tecnologia blockchain?

Em 2008, a crise do mercado de capitais norte-americano abalou a confiança da população, especialmente de países desenvolvidos, nas instituições financeiras. Em meio a esse cenário, a ideia da Bitcoin, uma moeda virtual descentralizada, foi lançada na internet e passou a ser desenvolvida por programadores ao redor do mundo.

Seu conceito pode parecer um tanto absurdo em um primeiro momento, já que não há uma instituição responsável por dar credibilidade a ela ou garantir o sigilo dos usuários. No entanto, se analisarmos com mais profundidade o assunto, veremos que não é algo tão fora da realidade.

Afinal, as organizações e governos só funcionam porque a população deposita neles sua confiança, aceitando que determinados documentos tenham validade. É como um contrato tácito entre os cidadãos e as instituições.

A mesma coisa acontece com as criptomoedas. O que dá valor a elas é a aceitação das pessoas envolvidas nas transações. Porém, para que as movimentações financeiras fossem documentadas e controladas sem a necessidade de um ente regulador, foi criado um conceito de registro que mostrou-se mais revolucionário do que a própria ideia de criptomoedas: a blockchain.

Como funciona um registro em blockchain?

A blockchain é uma espécie de livro-razão virtual e público, compartilhado entre diversos usuários, permitindo o acesso de qualquer pessoa ao redor do mundo às suas informações. Dessa maneira, a publicidade é uma proteção contra fraudes e modificações criminosas. Mas vamos conferir o passo a passo do processo para entendermos melhor como essa tecnologia funciona.

Tudo começa quando um usuário faz uma transação para outro, no formato P2P (do inglês peer-to-peer, par-a-par), ou seja, sem intermediários. Essa movimentação — no caso das criptomoedas, pode ser um pagamento ou uma transferência, por exemplo — é registrada em uma planilha pública comum, compartilhada em rede, chamada de ledger.

Essa rede é composta de computadores de usuários voluntários, espalhados por todo o planeta, que utilizam a capacidade de processamento de dados conjunta para quebrar as chaves criptográficas e validar as transações. Uma quantidade variável delas é, então, juntada em um bloco criptografado e registrado sequencialmente. Daí o nome blockchain ou cadeia de blocos.

Assim, a blockchain trabalha com a segurança tanto do anonimato, pois os usuários são identificados apenas por códigos que só podem ser quebrados nas validações, como da publicidade, pois necessita da aprovação de vários computadores para que uma movimentação seja confirmada.

Quais são os benefícios dessa tecnologia?

O maior benefício da tecnologia blockchain é, segundo a Gartner Inc., consultora líder mundial em Tecnologia da Informação, adicionar confiança a ambientes antes não confiáveis. Assim, possibilita que empresas e usuários criem suas próprias cadeias de transações, validando-as publicamente sem a necessidade da burocracia governamental ou do aval de grandes instituições privadas.

Dessa forma, podem ser emitidos documentos, transações e registros de validade pública, reconhecidos legalmente e registrados em um sistema praticamente inviolável. Afinal, para burlar uma blockchain, é preciso uma capacidade computacional enorme e, portanto, muito consumo de energia elétrica e tempo. Isso torna os processos fraudulentos, na maioria das vezes, inviáveis.

Além disso, ainda de acordo com a consultora Gartner, a blockchain reduz os conflitos entre as partes de uma transação, pois seus registros são públicos e validados por consenso de outros usuários da cadeia. Assim, não há discussões quanto ao reconhecimento e à legalidade das movimentações.

Quais aplicações são possíveis para a blockchain?

Por tudo o que foi dito, o futuro da blockchain é bastante promissor, abrindo inúmeras possibilidades de aplicações nos mais variados ramos da vida em sociedade e setores econômicos. E muitas empresas já estão testando a tecnologia em algumas etapas de seus processos produtivos .

Confira a seguir algumas das possibilidades de uso de uma cadeia blockchain.

Registro de patentes e autorias

Com a tecnologia blockchain, é possível registrar patentes e propriedades intelectuais de forma segura, descentralizada e desburocratizada. Bem como, as vendas e o uso de direitos econômicos das obras e dos produtos registrados, as transferências de propriedade (por comercialização, doação ou herança) e a consulta rápida das autorias nos bancos de dados.

Registro de imóveis e propriedades de terras

Da mesma forma, é possível o registro de propriedades imobiliárias, tornando a grilagem ou outro tipo de fraude mais difíceis de serem legalizadas, pois há uma auditoria independente, feita por diversas máquinas, das informações adicionadas à cadeia. Assim, reduz-se a influência da corrupção, pois o poder de validação é descentralizado e consensual.

Elaboração de contratos eletrônicos inteligentes

Outra área de expansão acelerada do uso da blockchain é na elaboração e registro de contratos eletrônicos inteligentes. Por meio de plataformas digitais, os documentos podem ser assinados a qualquer momento pelas partes, podendo elas estarem em quaisquer lugares do mundo.

Esses documentos, além de terem validade reconhecida internacionalmente pela sua segurança, funcionam de forma integrada com outros sistemas eletrônicos, acionando cláusulas automáticas e modificando seus termos de acordo com condições preestabelecidas.

Controle de estoques e remessas

Em 2016, a gigante norte-americana do varejo Walmart testou, com sucesso, um sistema de rastreamento de mercadorias para o controle de seus processos e da satisfação dos consumidores. Da mesma forma, é possível acompanhar correspondências desde a saída do depósito remetente, até a chegada ao destinatário, com suas etapas sendo adicionadas à cadeia de informações.

Banco de histórico médico

Por proteger a identidade dos usuários por meio da criptografia, a blockchain é uma boa alternativa para a criação de bancos de históricos médicos capazes de serem acessados por equipes da área de saúde e, ao mesmo tempo, garantindo o sigilo médico do paciente.

Transações financeiras

Criptomoedas como a Bitcoin, a Ethereum e a Litecoin, são baseadas em registros blockchain para documentar suas transações e as criações de valores, de modo que seus preços no mercado de câmbio possam ser mensurados de acordo com a lei da oferta e da procura.

Além disso, instituições financeiras ao redor do mundo estão testando esses registros para compartilharem informações sobre atividades financeiras sem comprometer os sigilos bancários dos clientes.

Como deu para perceber, a blockchain é uma tecnologia que está modificando o cenário da transformação digital no mundo todo. Por ser um sistema descentralizado e não precisar da regulação de uma instituição superior, torna as transações e registros, sejam eles comerciais, financeiros, pessoais ou patrimoniais, mais ágeis, baratos e seguros para todas as partes envolvidas.

Se este artigo foi útil para você, compartilhe-o em suas redes sociais e contribua para a transformação digital no Brasil!