Pulverizadores e atomizadores sem cabine aplicam defensivos automaticamente (guiados por sistemas que se comunicam com os veículos por meio de microdispositivos instalados no painel). Drones circulam pelo campo e captam imagens georreferenciais em tempo real, diagnosticando falhas na semeadura e mostrando erros na cobertura de vegetação para plantio direto. Bem-vindo à era da agricultura 4.0.

tecnologia no agronegócio já começa a mudar os resultados das safras, aumentando a produtividade e reduzindo perdas no campo. Impulsionado por recursos como Internet das Coisas, Inteligência Artificial, realidade virtual/aumentada e computação cognitiva, o agronegócio vem adaptando sua estrutura (com interligação total do perímetro via internet e qualificação de mão de obra), no intuito de fortalecer sua competitividade no mercado internacional e tornar a produção mais sustentável.

Quer melhorar sua colheita e ampliar a produção em escala exponencial (sem ter que contratar mais funcionários nem ter que arrendar outros lotes)? Confira agora como a tecnologia no agronegócio pode mudar profundamente seus resultados! Boa leitura!

A revolução dos bytes

A atual junção das tecnologias físicas, digitais e biológicas vem ressignificando a forma como fazemos negócios, interagimos e, evidentemente, produzimos. Assim como o motor à combustão interna revolucionou o início do século 20 e os mainframes mudaram a maneira como a sociedade geria seus dados nos anos 1970, nossa geração assiste a uma reorganização da ordem produtiva com a chegada de drones, impressoras 3D, computação em nuvem e interconexão total dos objetos.

Nesse contexto, era de se esperar que esses recursos fossem rapidamente incorporados pelo agronegócio, segmento acostumado a gerenciar uma infinidade de variáveis, como condições climáticas, quantidade de água no solo, peso dos animais, volume de alimentação diária do rebanho, nível de insolação no terreno, entre outros muitos fatores.

A (árdua) tarefa de entrecruzar todas essas informações manualmente explica, aliás, por que boa parte da produção agrícola se perdia ao longo do ano, bem como por que muitos animais confinados não produziam o que se imaginava.

O futurismo da agricultura 4.0

Segundo levantamento da Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), 67% das propriedades agrícolas do Brasil usam algum tipo de inovação tecnológica em seus processos produtivos. E os exemplos práticos vêm de muitas áreas.

Já existem aplicativos que alertam o produtor de leite quando chega o momento exato de colocar cada vaca para reproduzir, bem como quando é hora de desmamar um bezerro. Na suinocultura, sensores são instalados na área de descanso das cabeças, monitorando em tempo real a temperatura do local, o nível de ventilação e até a intensidade de ruído do rebanho (que, em muitos casos, pode indicar disfunções no bem-estar animal).

A pecuária de corte também tem se beneficiado bastante da tecnologia no agronegócio. Muitas fazendas brasileiras já utilizam há algum tempo um processo chamado “do pasto ao prato”, que consiste no rastreamento completo do gado, desde o nascimento (por meio de um brinco eletrônico), passando pela implantação de um chip aos 7 meses de idade, até o monitoramento do abate humanizado.

Com isso, é possível obter todo o histórico genético e detalhes do manejo do animal, culminando na geração de um código de barras em sua carne, ponto de partida para que o consumidor possa saber exatamente como o alimento que está sendo consumido chegou à sua mesa.

Assinatura eletrônica e sistemas de gestão integrada no campo

Já imaginou o quanto a agroindústria poderia se beneficiar da agilidade da assinatura eletrônica (aquela mesma já usada pelas empresas de outros setores) para coletar múltiplas firmas simultâneas, dispensando, inclusive, a chancela cartorária na consolidação de contratos?

Essa é mais uma tecnologia no agronegócio que vem redesenhando os processos administrativos no campo, dando mais agilidade na assinatura de recibos e formalização de contratos. E isso faz diferença: imagine se você conseguisse fechar uma venda no Paraná mesmo estando em Mato Grosso? Sensacional, não?

Ok, mas talvez você ainda esteja se questionando: “qual é a utilidade de uma assinatura eletrônica no agronegócio, se muitas vezes é preciso comprar insumos em fazendas localizadas em regiões sem acesso à internet?” É justamente aqui que está a inovação.

Já existem plataformas de assinatura eletrônica que permitem a autenticação de documentos baixados anteriormente, mesmo que o usuário no momento da assinatura esteja desconectado. Essas soluções asseguram a possibilidade de armazenamento e acesso a um template criado previamente, fazendo com que todo o processo seja feito offline. Uma vez online, a conclusão da assinatura é feita automaticamente.

Todos esses recursos vêm sendo utilizados concomitantemente na agricultura de precisão para agilizar processos, eliminar perdas de insumos, potencializar a colheita e a produção de alimentos de origem animal.

Nesse sentido, sensores ligados a sistemas de gestão integrada, veículos autônomos e cruzamento de dados para tratamento e manejo do solo/rebanho são complementados com recursos administrativos modernos, como a assinatura eletrônica. Essa conjunção forma um poderoso ecossistema digital imprescindível a todo produtor/gestor da agroindústria que deseja manter sua empresa competitiva no mercado.

Um ponto interessante é que essas ferramentas não se referem à estimativa de cenários futuristas, ou seja, sobre mudanças de processos que estarão entre nós nas próximas décadas. Todas as tecnologias citadas já são utilizadas pelos pares do setor e seus respectivos stakeholders. Na agronomia, por exemplo, já há relatos até mesmo de uso de receituário agronômico (recomendações sobre uso de agrotóxicos) via web com assinatura digital.

Ao longo do texto, você percebeu que as decisões tomadas há até algum tempo, baseadas apenas na intuição e na tentativa e erro do produtor rural, agora contam com embasamento e rigor científico e analítico.

No entanto, para construir esse cenário high tech, de microssensores e máquinas inteligentes, é preciso primeiramente modernizar a infraestrutura e os serviços de TI de sua unidade produtiva, a começar pela eliminação da burocracia da assinatura manuscrita, trazendo a velocidade dos processos digitais na coleta de dados e consolidação de contratos.

Agora que você conheceu algumas das principais vertentes da tecnologia no agronegócio, realize um teste grátis da plataforma e envie 5 documentos para assinatura sem custo algum! Afinal, você sabe da importância da tecnologia para o seu negócio. Sucesso e até a próxima!