A cloud computing já faz parte da rotina de várias empresas. Muitos gestores optam por um sistema na nuvem para otimizar rotinas e melhorar a prestação de serviços do negócio. Assim, com a empresa mais competitiva, é possível atingir novos mercados e obter receitas maiores.

Nos próximos anos, muitas empresas devem migrar as suas operações para a nuvem. Seja em busca de processos mais flexíveis, maior escalabilidade operacional ou capacidade de responder às demandas do mercado, negócios terão a nuvem como o ponto principal de suas operações.

Dado os constantes avanços nas tecnologias de computação em nuvem, hoje, o que não faltam são bons motivos para justificar a migração de sistemas empresariais locais para o formato em nuvem.

A seguir, listamos alguns dos principais que confirmam que cloud computing é a melhor opção. Acompanhe!

1. Cloud computing proporciona redução de custos operacionais

Em tempos de crise, reduzir custos operacionais é fundamental para manter um negócio com alto nível de competitividade. Em pequenas empresas, especificamente, possuir uma cadeia operacional com baixo nível de desperdícios é crítico, uma vez que essas empresas possuem um orçamento enxuto.

Nesse cenário, um sistema na nuvem pode ser visto como uma alternativa para empreendimentos que pretendem otimizar as suas rotinas.

O custo de licenciamento de software e plataformas de processamento de dados, por exemplo, torna-se mais preciso e, a longo prazo, menor. Empresas que trabalham com modelos como o Software as a Service (SaaS) pagam apenas pela quantidade de usuários que existem em um sistema.

Dessa forma, o gasto com licenças que não estão sendo utilizadas é eliminado, aumentando o ROI proporcionado por esse tipo de investimento.

Além disso, a migração para o formato de sistemas em nuvem elimina a necessidade de manutenção de estruturas próprias e profissionais de TI só para gerenciar a infraestrutura interna da empresa — o que é extremamente benéfico para pequenos negócios, os quais detém poucos recursos para esse tipo de atividade.

Assim, tanto a disponibilidade de hardware quanto a de pessoal é transferida para as empresas que fornecem o serviço. Ou seja, em vez de manter toda uma infraestrutura de TI internamente, com softwares e hardwares de alto custo, contrata-se um fornecedor que dispõe de tudo isso para oferecer à empresa contratante a um custo fixo e reduzido.

2. A nuvem possui mais disponibilidade

Uma boa solução de TI não é apenas a que possui boa performance, mas também a que apresenta um alto nível de disponibilidade. Nesse cenário, as ferramentas de cloud computing se destacam por utilizarem técnicas que garantem o acesso a dados sempre que for necessário, bastando apenas uma conexão com a web de qualidade.

Empresas que possuem serviços que demandam o deslocamento de profissionais ou o acesso a documentos fora do local de trabalho, por exemplo, podem se beneficiar dessa característica.

Com o auxílio da nuvem, a visualização de documentos online ocorrerá em tempo integral, por meio de smartphones, tablets e qualquer outro aparelho com uma conexão com a internet, tornando serviços e processos de tomada de decisão mais eficazes e precisos.

Não bastasse, no quesito disponibilidade é preciso mencionar também a robustez dos serviços garantida pela nuvem. Bons prestadores desse serviço operam com infraestruturas rígidas e eficientes para manter o acesso integral aos dados e informações hospedados nos data centers.

Por esse motivo, falhas de hardware, conexão, ou mesmo de segurança, são eventos extremamente raros. Isso significa que trabalhar com um sistema em nuvem é muito mais seguro, já que o risco de indisponibilidade é atenuado com a utilização de redundância, protocolos de segurança e pessoal especializado. Tudo para manter a estabilidade e disponibilidade do serviço.

3. Sistemas na nuvem dão mobilidade

Os últimos anos foram marcados pela popularização das conexões mobile de alta velocidade e dos smartphones. Eles tornaram a rotina de profissionais mais flexíveis e aumentaram a capacidade de empreendimentos atenderem às demandas do mercado. Além disso, com o auxílio da computação na nuvem, foi possível implementar políticas como as de home office com maior segurança e performance.

Nesse sentido, a nuvem pode ser utilizada para a flexibilização de vários processos. O acesso a dados, como já citado anteriormente, torna-se mais simples com a sincronização de arquivos com um serviço de cloud storage. Será possível editar e visualizar documentos internos em qualquer local com uma conexão web.

Da mesma forma, profissionais que trabalham em regimes de home office podem melhorar a sua performance sem comprometer a segurança do empreendimento. Eles poderão trabalhar com os mesmos sistemas que utilizam no local de trabalho, sem precisar instalar softwares ou aplicativos adicionais em suas máquinas pessoas. Assim, o risco de informações corporativas ficarem armazenadas em dispositivos que não são controlados pelo departamento de TI é reduzido.

4. A gestão de TI se torna mais simples

Processos de instalação, gestão e atualização de sistemas corporativos podem ter um grande custo operacional para o negócio. Em grandes empresas, por exemplo, a migração para um novo sistema ou a mudança de versão pode demorar meses. Gestores de TI precisam lidar com processos de homologação, treinamento e suporte a usuários, o que acaba aumentando os prazos para instalação completa da solução de TI que será implementada.

Com o uso de um sistema na nuvem, grande parte desses problemas são eliminados. A atualização de um sistema pode ser distribuída com maior agilidade, uma vez que os sistemas não são executados localmente.

Da mesma forma, o tempo necessário para a adaptação de funcionários a nova plataforma será menor, uma vez que as novas funções podem ser implementadas gradativamente.

5. Sistemas na nuvem são mais flexíveis

Os serviços que são executados em ambientes de computação na nuvem são conhecidos por possuírem mais flexibilidade. Empresas podem adotar soluções personalizadas de acordo com a sua necessidade, tornando os seus processos internos mais eficientes e com maior confiabilidade. Além disso, é possível integrar ferramentas, permitindo a troca de dados entre softwares diversos.

Uma solução de cloud storage, por exemplo, pode ser contratada de acordo com o número de usuários e dados que precisam ser armazenados na nuvem. De acordo com a quantidade de documentos que o empreendimento possuir e o seu valor agregado, o gestor de TI pode escolher uma ferramenta com opções de segurança mais complexas ou maior controle de acesso a dados.

Além do mais, a quantidade de recursos contratados pode ser modificada sempre que for necessário. Essa característica é muito útil, por exemplo, em períodos de alta demanda sobre os serviços da empresa.

Assim, é possível adaptar o sistema na nuvem para lidar com um fluxo maior de informações e mais usuários, aumentando a capacidade de processamento dos servidores e a quantidade de armazenamento de dados, por exemplo, para atender a realidade da empresa, ainda que de forma sazonal.

Como os modelos de negócio se adaptam às necessidades dos seus usuários, em geral, serviços de computação na nuvem cobram apenas pelos recursos utilizados. Com isso, a empresa passa a ter um custo de manutenção de software mais preciso, eliminando gastos com a manutenção de serviços que não são utilizados.

6. A nuvem é segura

Virus e técnicas de hacking ganharam complexidade ao longo dos últimos anos com o aumento da presença da tecnologia no ambiente corporativo. O roubo de dados é um problema frequente em vários empreendimentos e, diante disso, é fundamental que empresas consigam implementar soluções capazes de garantir a possibilidade dos profissionais trocarem dados em segurança. Nesse sentido, a computação na nuvem se destaca por permitir o uso de soluções completas com alta confiabilidade.

Sistemas de gestão integrada e cloud storage, por exemplo, utilizam conexões HTPPS e outros mecanismos de segurança para garantir que todos os dados trocados entre o dispositivo do usuário e os servidores do serviço estarão protegidos contra acesso não autorizado.

A partir da aplicação de políticas de backup e controle de acesso, plataformas na nuvem também podem eliminar tentativas de invasão de data centers com maior precisão. Além disso, funções como a autenticação de dois passos e alertas de login auxiliam o usuário a verificar se a sua conta foi comprometida.

7. A nuvem é sinônimo de produtividade

A grande capacidade de centralização de dados e informações e acesso remoto da solução em nuvem é, também, um ponto que merece ser destacado a respeito da adoção de sistemas nesse formado.

Como dito, a possibilidade de que funcionários de uma mesma empresa acessem o sistema de localidades distintas, compartilhando e modificando documentos em tempo real, é de grande valia para o quesito produtividade.

O repositório único do sistema, hospedado na nuvem, é a chave para a integração de equipes, filiais de empresas e setores a partir da melhora na comunicação interna.

A partir disso, por exemplo, documentos podem ser acessados e modificados por diferentes usuários, em qualquer parte, permitindo que todos tenham controle e visibilidade, em tempo real, do andamento de um projeto ou tarefa.

8. Reforça a escalabilidade operacional

Outro grande benefício que comprova que trabalhar com um sistema na nuvem, hoje, é a melhor opção para qualquer tipo de empresa é a escalabilidade.

Sistemas internos, hospedados em servidores próprios, em muitos casos, exigem um grande esforço e gastos elevados para que sejam adaptados às mudanças de realidade do negócio. Em regra, é bastante difícil manter a infraestrutura de TI alinhada com o crescimento do negócio — especialmente quando ele ocorre de maneira acelerada —, o que pode fazer do sistema um verdadeiro gargalo de produtividade.

Por outro lado, soluções de gestão baseadas na nuvem têm como característica marcante a grande escalabilidade. Isso significa que quaisquer mudanças externas nas atividades da empresa podem ser rapidamente alinhadas às capacidades do sistema.

Ou seja, é possível trabalhar sempre com o sistema ajustado às demandas do negócio, evitando qualquer tipo de lentidão, falha ou indisponibilidade, por insuficiência de hardware ou baixa infraestrutura, por exemplo.

9. Economia de implementação

Diferentemente dos modelos mais tradicionais de sistemas, em que a curva de aprendizagem das equipes é bastante longa e lenta, na nuvem as coisas bem diferentes.

A delegação da parte técnica referente à manutenção e gerenciamento do sistema ao prestador do serviço, em grande medida, simplifica o processo de implementação e, também, utilização da ferramenta.

O fato é que a empresa não tem que se preocupar com o treinamento de equipes de TI para lidar com a ferramenta — pelo menos não com o nível de profundidade que se exigiria de uma solução interna. Isso porque, grande parte dos incidentes que podem ocorrer na utilização serão solucionados pela própria fornecedora, por meio de pessoal especializado.

Outro quesito diz respeito à compatibilidade dos sistemas em nuvem. Normalmente, como não dependem de hardwares específicos e adaptações nas máquinas que o utilizarão, todo o processo de implementação se torna bem mais fluido. Na realidade, basta apenas ter conexão com a internet para que o software rode.

10. Maior apoio ao uso estratégico dos dados

Sem dúvida alguma, um dos principais benefícios da utilização de sistemas em nuvem é a digitalização dos processos relacionados à gestão. À primeira vista, isso pode não parecer muita coisa, mas é um fator de extrema relevância no cenário atual, em que os dados e informações se tornaram ativos valiosos para as companhias.

O fato é que a utilização de sistemas em nuvem implica mudanças nos processos. Por exemplo, substitui-se grande parte dos expedientes manuais por alternativas digitais. Assim, planilhas, fichas e relatórios ganham uma roupagem virtualizada, muito mais fáceis de serem gerenciadas e, principalmente, aproveitadas.

Nesse contexto, a centralização de informações em um ambiente informatizado viabiliza a utilização de indicadores de desempenho dos processos (KPI), já que os dados são mais facilmente reunidos, comparados e aproveitados pelos gestores e líderes.

Em muitos casos, os próprios sistemas já se encarregam de gerar os relatórios, fornecendo assim um suporte informativo muito mais rico e preciso para que as decisões possam ser tomadas dentro da empresa.

Por fim, não há dúvidas de que contar com o apoio de sistema na nuvem é muito mais produtivo e vantajoso para uma empresa. Os benefícios dessa prática, como vimos, se estendem por diferentes aspectos operacionais da empresa, abarcado desde custos mais competitivos, maior segurança no manuseio das informações até o uso estratégico dos dados da empresa no processo de tomada de decisão.

E aí, gostou da nossa lista e quer saber mais sobre computação na nuvem e gestão de documentos digitais? Então baixe agora mesmo o nosso material gratuito e entenda de uma vez por todas, como a computação na nuvem vem revolucionando o mercado!