Definitivamente não é segredo que, atualmente, a tecnologia é elemento-chave para qualquer negócio. Já reparou que, independentemente do porte ou da área de atuação das empresas, os grandes destaques do mercado operam seus principais sistemas em computadores e com grande dependência da conectividade? Por essas e outras é que, nas últimas décadas, houve um significativo aumento da quantidade de informações sensíveis circulando de um ponto a outro tanto dentro da organização como dela para o mundo todo, via internet.

E por mais que a proliferação dos dispositivos móveis e dos serviços de cloud computing sejam aspectos mais recentes, também vêm impulsionando os investimentos em ambientes de TI seguros. Aí é que entram as políticas de segurança da informação para garantir a proteção das operações da empresa. Já é questão de primeira necessidade ter políticas que, documentadas, detalhem procedimentos e diretrizes para eliminar a subjetividade ao lidar com informações sensíveis. Assim, as empresas podem gerenciar os riscos por meio de controles bem definidos, que ainda fornecem referências para auditorias e ações corretivas.

Mas o que exatamente é uma política de segurança da informação? Quer entender como é desenvolvida e por que documentá-la é tão importante para sua empresa? Então acompanhe conosco!

O que é uma política de segurança da informação?

Para realmente entender o que é essa política, você precisa saber o que exatamente significa segurança da informação. De acordo com a definição da norma ISO 27001, que estabelece as diretrizes gerais para a gestão da informação de uma empresa, segurança da informação nada mais é que o ato de proteger os dados da empresa (especialmente aqueles confidenciais) contra diversos tipos de ameaças e riscos — espionagens, sabotagens, incidentes com vírus ou códigos maliciosos e até acidentes, como incêndio e inundação.

A segurança da informação é, então, obtida pela implantação de uma gama de controles que incluem procedimentos de rotina (como as verificações de antivírus), infraestrutura de hardware e software (como a gestão de soluções para assinatura eletrônica de documentos), além da criação de uma política devidamente documentada. Chegamos, assim, à política de segurança da informação, definida como as regras que ditam o acesso, o controle e a transmissão da informação em uma organização. Lembrando que uma política de segurança não é um documento imutável ou inquestionável. Muito pelo contrário, requer atualização constante e participação não só da diretoria da empresa, mas também dos funcionários e da equipe de TI.

Que benefícios ela traz à gestão da empresa?

O bem mais importante que qualquer empresa possui é justamente a informação. E especialmente hoje, com o mercado sendo obrigado a lidar com quantidades massivas de informação em diversas camadas, é preciso se manter constantemente atento às situações que envolvem o manuseio de dados.

Ataques à integridade dos sistemas das empresas vêm crescendo tanto em número como em sofisticação. Assim, informações críticas e confidenciais correm o risco de ser corrompidas, perdidas ou até mesmo de cair nas mãos da concorrência. De toda forma, os prejuízos são incalculáveis. Com uma política de segurança da informação bem desenhada, é possível reduzir consideravelmente esses riscos, dando à organização a devida proteção contra ameaças internas e falhas de segurança.

Ao determinar e comunicar o time sobre as diretrizes do uso aceitável da informação, garante-se que os funcionários saibam qual é a postura esperada na hora de lidar com os diversos níveis de confidencialidade e importância, conhecimento que previne violações acidentais. Uma vez implantada a política de segurança da informação, o aumento da transparência e a elevação da eficiência do negóciosurgem como consequências naturais. Essa política deve ser o mais clara possível, para que os colaboradores entendam como organizar a informação seguindo um padrão para facilitar os fluxos de processos em todas as escalas.

A execução adequada das regras de segurança da informação leva a uma evolução proporcional à drástica redução dos danos à infraestrutura de TI da empresa. Assim, a experiência do usuário também se beneficia significativamente, dando um salto de qualidade.

E quais são suas etapas de implantação?

Agora que você já sabe o que é e por que é tão importante para sua empresa, é hora de saber que etapas deve seguir na hora de implantar uma política de segurança da informação. Antes, porém, precisamos destacar que, para que o documento tenha aceitação na organização, deve não só ser apoiado pela cúpula estratégica da empresa, mas contar com sua participação ativa durante o processo. Dito isso, vamos aos passos:

Planejamento e levantamento do perfil da empresa

Deve ser feito um planejamento que inclua o objetivo máximo da política, determine seus responsáveis e os prazos para conclusão, analisando o que deve ser protegido, tanto em relação ao tráfego externo como ao interno.

Elaboração das normas e proibições

Etapa de criação das normas relativas ao uso de programas, internet, dispositivos móveis, acesso à rede da empresa, bloqueio de sites, uso do e-mail corporativo, de aplicativos de mensagens de texto e voz — resumindo: recursos tecnológicos em geral.

Alinhamento com as demais políticas do negócio

Esse é o momento de estudar as demais políticas da empresa, bem como sua visão, sua missão e seus valores, para que tudo esteja devidamente alinhado.

Aprovação pelo RH

Além da diretoria, o RH da empresa também deve ler o documento e aprovar suas premissas, de acordo com as leis trabalhistas e com o manual interno dos empregados da organização.

Aplicação e treinamento dos colaboradores

Trata-se de efetivamente implantar a política. Nesse momento, é preciso comunicar todos os funcionários, que devem receber uma cópia do documento, além de um treinamento prático que apresente seus pontos principais. A política deve estar sempre acessível aos colaboradores e a assinatura de cada um deles, com uma declaração de comprometimento, deve ser recolhida após o treinamento.

Avaliação periódica

Na verdade, essa etapa consiste em ações contínuas, já que a política deve ser revisada regularmente, a fim de atualizá-la, caso seja necessário.

Atenção a novas tecnologias

O setor de TI deve estar sempre atento ao surgimento de novas tecnologias no mercado, aquelas que podem alterar as regras da política empresarial, submetendo-a às atualizações necessárias. Como exemplo aqui podemos citar a substituição das cartas registradas por soluções no e-mail corporativo.

Não se esqueça de que uma política de segurança da informação é tão eficaz quanto o grau em que é praticada dentro da organização. Portanto, uma boa política é aquela de fácil entendimento e acessível, atingindo e informando eficientemente todos os funcionários. Também ser flexível e aberta a mudanças de requisitos e à evolução do negócio, além de constantemente atualizada para permanecer relevante. Afinal, as informações da sua organização devem ser preservadas e resguardadas de todas as formas possíveis.

Como você pôde ver, a concepção e a consequente implantação de uma política de segurança da informação é uma empreitada que, além de garantir proteção, traz maior transparência e eficiência para toda a empresa. Animado para desenvolver a política do seu negócio? Ficou ainda com alguma dúvida ou tem sugestões a fazer? Deixe seu comentário e compartilhe suas impressões e seus questionamentos conosco!

(Visited 80 times, 1 visits today)