Você é gestor em construtora ou urbanizadora? Quais ferramentas modernas de edificação e vistoria de obra sua empresa utiliza para reduzir custos e melhorar a qualidade construtiva? Em tempos de recuperação econômica, é preciso estar preparado para a retomada do crescimento.

Nada mais justo. Depois de alguns anos de estagnação, o mercado imobiliário já começa a dar sinais claros de recuperação. Em 2018, por exemplo, a busca por financiamento imobiliário cresceu 15% após 3 anos de queda; já o preço dos imóveis também registrou no mesmo ano o primeiro aumento em 3 anos; por fim, as vendas no setor fecharam o ano em alta de 19,2%. Mas há muito mais a se preocupar do que o simples percentual de unidades vendidas.

Com o reaquecimento do segmento, muitos brasileiros tiram do banco suas economias para realizar o sonho da casa própria. O problema é que junto com o aumento das vendas, costuma vir também o crescimento das reclamações nos órgãos de proteção ao consumidor. O motivo principal? Defeitos construtivos, muitos dos quais poderiam ser verificados no laudo técnico de vistoria de obra.

Hoje você vai entender como tecnologias disruptivas como assinatura eletrônica podem facilitar seus processos no canteiro de obras e fazer sua marca mais forte no mercado!

Por que a realização do laudo técnico de vistoria da obra é obrigatória?

De acordo com a NBR 14653-1 (documento da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT), a vistoria de um bem é

“a constatação local de fatos, mediante observações criteriosas em um bem e nos elementos que o constituem ou o influenciam”.

Na construção civil, o laudo técnico de vistoria de obra é o documento elaborado por um engenheiro ou arquiteto (devidamente registrado em seu conselho profissional) que objetiva identificar inconformidades existentes na edificação na data da análise, oferecendo a oportunidade de implementar ações corretivas antes da entrega definitiva do imóvel.

Esse documento obrigatório preserva a memória descritiva da unidade na data de sua entrega, protegendo o direito tanto da construtora quanto do comprador. Com isso, garante-se a entrega de um produto sem:

  • vícios (anomalias que afetam o desempenho de produtos/serviços);
  • defeitos (anomalias que vão além da simples queda no desempenho, provocando risco potencial);
  • danos (anomalias que podem até não afetar o desempenho dos produtos, mas diminuem seu valor patrimonial).

Essa vistoria é amparada pelos seguintes normativos:

  • ABNT NBR 5674: Manutenção de edificações – Requisitos para o sistema de gestão de manutenção;
  • ABNT NBR 5671: Participação dos intervenientes em serviços e obras de engenharia e arquitetura;
  • ABNT NBR 5670 – Seleção e contratação de serviços e obras de engenharia e arquitetura de natureza privada;
  • ABNT NBR 15575: Desempenho de edificações;
  • ABNT NBR 14037: Manual de operação, uso e manutenção das edificações;
  • ABNT NBR 13752: Perícias de engenharia na construção civil;
  • ABNT NBR 13531 – Elaboração de projetos de edificações – Atividades técnicas – Procedimento;
  • ABNT NBR 12722 – Discriminação de serviços para construção de edifícios.

O que é analisado na vistoria de obra?

A inspeção técnica na construção civil analisa visualmente, por cálculos de dimensionamento e testes práticos, se subsolos, áreas comuns, fachadas, caixas d’agua, sistemas elétricos e hidráulicos estão funcionando corretamente. Dentro do imóvel, é verificado se a pintura está uniforme, se as esquadrias das janelas estão em perfeito funcionamento, se fechaduras e portas estão bem encaixadas e de acordo com a planta da unidade.

A quantidade de itens a serem analisados é tão grande que muitos engenheiros fazem uso de um checklist para ter certeza que tudo foi vistoriado. Em caso de deficiências, as irregularidades são apontadas no laudo, por meio de fotos, inserção de setas e quadros explicativos. O material é então remetido à área de execução/manutenção para a realização dos devidos reparos.

Abaixo você confere alguns exemplos dos elementos periciados em uma vistoria de obra:

  • homogeneidade do gesso e piso nas unidades;
  • uniformidade da inserção dos ladrilhos e rejuntes nos pisos cerâmicos;
  • altura do contrapiso;
  • funcionamento de esquadrias e portas, bem como suas vedações;
  • funcionamento do sistema elétrico e hidráulico;
  • alinhamento das luminárias ao determinado no projeto executivo;
  • pressurização correta dos extintores;
  • entre outras variáveis.

Como a tecnologia pode ser usada na vistoria de obra?

Indústria 4.0 trouxe ao mercado tecnologias físicas, digitais e biológicas que estão redesenhando os processos produtivos no mundo todo. Na construção civil, já existem empresas que utilizam drones para captar os mais imperceptíveis detalhes de cada metro quadrado de um canteiro de obras. Essas informações capturadas são remetidas a um centro de dados na construtora, que faz uma varredura de todos os itens a serem analisados, identificando, automaticamente, eventuais inconformidades.

Outra possível ferramenta de otimização dos laudos técnicos de vistoria é a realidade virtual/aumentada. A chegada desse recurso abre espaço para que engenheiros executem a inspeção à distância, economizando tempo e injetando mais qualidade no processo de avaliação. A ideia, com essas soluções, é reduzir os erros a níveis próximos de 0.

Por fim, um recurso que já vem sendo utilizado em grande medida nos canteiros de obra é a assinatura eletrônica, que substitui a imensa burocracia da assinatura manuscrita na chancela de laudos técnicos de vistoria.

Um laudo técnico de vistoria de obra deve conter uma série de assinaturas, entre engenheiros responsáveis pelo canteiro, encarregados da perícia e gestores da construtora.

Considerando que quando a firma é manuscrita esse documento deve ser remetido a cada interessado, para então seguir para as autenticações notariais e só depois chegar às mãos do comprador da unidade, estamos falando em um ciclo que pode chegar a quase 1 mês.

Com a assinatura eletrônica, a firma do engenheiro avaliador pode ser aposta ali mesmo no fim da inspeção (pelo seu próprio tablet ou smartphone).

Com a marcação de outros interessados no laudo, um alerta é disparado aos seus respectivos e-mails, de forma que o documento esteja inteiramente ratificado no mesmo dia. Tudo isso para levar robustez não somente à obra, mas também à marca da construtora no mercado.

Por falar em assinatura eletrônica em vistoria de obra, que tal descobrir agora como as imobiliárias estão otimizando suas rotinas por meio dessa tecnologia? Ou realize um teste grátis da plataforma de assinatura eletrônica da DocuSign.

Sucesso e até a próxima!