Com a competitividade cada vez maior, a inovação nas empresas se torna requisito básico para a geração de soluções, a entrega de valor ao consumidor e até a redução de custos. Na prática, porém, ainda são poucas as organizações que conseguem aplicar uma rotina de inovação.

E isso acontece pelos mais diversos motivos, desde a falta de uma cultura voltada para a inovação até a ausência de clareza sobre como proceder. Afinal, quem deve ser o responsável pela inovação ali?

Justamente para ajudar sua empresa a inovar constantemente é que resolvemos preparar este conteúdo exclusivo! Nos próximos tópicos, você vai entender quais são os pontos fundamentais para incluir a inovação na sua instituição. Acompanhe!

Antes de mais nada, o que é inovação?

Ao contrário do que muita gente pensa, inovar não significa simplesmente ter uma ideia genial ou criar algo novo. Na verdade, inovação é uma postura constante de buscar soluções para problemas e necessidades tanto internos (da própria empresa) quanto externos (dos clientes e do mercado), gerando assim vantagens competitivas.

Gestão da inovação

Já reparou como o termo gestão da inovação tem ganhado cada vez mais força no mundo empresarial? Mas o que isso quer dizer? Basicamente, a gestão da inovação envolve o gerenciamento de inovações e ideias de uma empresa. Trata-se de um processo que lida com a inovação assim como lida com qualquer outro objetivo corporativo: definindo metas, responsáveis, equipes e ações a serem trabalhadas.

Cultura de inovação

Mais que possibilitar o surgimento de novas ideias e soluções, a gestão da inovação busca criar uma cultura de inovação dentro da empresa. Assim, antes de sequer pensar em delimitar cargos, a instituição precisa abraçar a inovação como uma causa, acreditando nela e a priorizando internamente para que os resultados surjam.

Quem deve dar o primeiro passo, portanto, é a diretoria. Na prática, isso significa desenvolver programas de estímulo à criatividade, aumentar a diversidade de perfis e habilidades da equipe, além de criar projetos baseados na solução de problemas atuais e até de demandas futuras, com equipes interdisciplinares.

Como implementar a inovação empresarial?

Curioso para saber como a gestão de novos produtos e soluções deve ser arquitetada dentro das empresas? Então veja a seguir um exemplo prático com os principais passos para tudo sair do papel!

Desenvolvimento da cultura organizacional

Como mencionamos, toda inovação precisa começar com uma cultura organizacional que priorize a busca por soluções. Essa postura garantirá a rápida identificação de oportunidades de inovação, passando na frente da concorrência.

Para não restarem dúvidas, imagine que, motivados por uma cultura de organização, os colaboradores da empresa XPTO começam naturalmente a tomar notas sobre procedimentos que podem ser aprimorados. Aí está plantada a sementinha da inovação.

Formação da equipe de gestão da inovação

Estando a cultura de inovação instalada na empresa, a diretoria já pode começar a identificar gestores ou funcionários de diferentes departamentos que pareçam ter aptidão para lidar com a inovação, formando a partir daí um time interdisciplinar que ficará responsável pela gestão da inovação.

Podendo ter um líder principal, essa equipe passa a trabalhar em parceria com o setor de TI, mas sem depender de apenas uma área da empresa. Em nosso case fictício, imagine tais líderes de inovação da empresa XPTO gradualmente coletando as opiniões da equipe sobre possíveis melhorias.

Análise dos pontos de melhoria

Com diversos feedbacks em mãos, os responsáveis pela gestão da inovação podem passar para a análise dos pontos de melhoria trazidos pelas equipes. Digamos que, na XPTO, o setor de vendas percebeu um gargalo: a demora para fechar contratos e aprovar compras.

Investigação em busca das causas

Depois de encontrar um desafio a ser superado pela companhia, a equipe de inovação precisa investigar o problema para entender sua causa. Em nosso exemplo, a equipe pode descobrir que a razão para a demora no fechamento de contratos está na dificuldade para imprimi-los, assiná-los, escaneá-los e enviá-los ao cliente ou parceiro comercial.

Foco nas possíveis soluções para o problema

Nesse momento, determinados a resolver o problema, os gestores de inovação saem em busca por soluções no mercado. Se for preciso, desenvolverão uma solução do zero! Será o caso da XPTO? Felizmente, não será necessário, pois é possível contornar a questão implementando o uso da assinatura eletrônica, que permite aprovar compras, fechar vendas e assinar contratos com agilidade e segurança!

Implementação e mensuração

Agora é hora de efetivamente implementar a solução, seja ela qual for. A XPTO, por exemplo, contratará um serviço de assinatura eletrônica, passando a usá-lo no dia a dia. Junto a isso, a equipe de inovação deve medir os resultados constantemente para confirmar a diminuição no tempo de fechamento dos contratos.

Avaliação dos resultados obtidos

Depois de cerca de um mês usando nova ferramenta ou testando qualquer outra solução encontrada, os gestores de inovação já podem analisar os resultados. Na XPTO, como o tempo para fechamento dos contratos caiu em 30%, o uso da solução é ampliado para as filiais da empresa, expandindo o benefício para toda a organização.

Como estimular a inovação nas empresas?

Incentive a colaboração

Sabia que a maior parte das novas soluções surge da combinação de ideias? Pensando nisso, que tal reunir diferentes setores e profissionais para que troquem ideias e ajudem uns aos outros? Mais que isso, aliás, crie um ambiente em que todas as sugestões são bem-vindas e erros são permitidos. Dessa forma, ninguém ficará receoso de trazer propostas e iniciativas! Em termos de estrutura, é válido até mesmo ter uma sala de inovação.

Inclua a inovação no cotidiano

Quando praticamos algo diariamente, a tendência é nos tornarmos bons naquilo com certa rapidez, certo? Pois com a inovação não é diferente! Para a capacidade de inovar crescer, ela deve ser constantemente estimulada. Para transformar ideia em ação, distribua post-its, quadros e murais com anotações e sugestões em todos os setores e salas. Também vale incentivar os colaboradores com livros, palestras e cursos que estimulem a criatividade.

Além disso, é fundamental que os próprios líderes tenham uma postura de abertura, sempre conversando com a equipe a respeito de novas ideias e se colocando à disposição para ouvir sugestões. Já imaginou se de um bate-papo despretensioso na hora do café surge um bom insight?

Tenha objetivos e métricas

Na verdade, inovações nada mais são que ideias com aplicações práticas para a empresa. Afinal, de nada adianta gerar um monte de propostas que não serão de fato implementadas, não é mesmo? Pois isso acontece quando os funcionários não sabem quais são os desafios que precisam resolver!

Para evitar esse tipo de entrave, a diretoria e os gestores de inovação precisam saber onde a companhia quer chegar, traçando objetivos para a inovação — melhoria de processos, aumento de vendas ou redução de custos, por exemplo. A partir daí, os responsáveis conseguem definir métricas para mensurar as iniciativas — conhecendo as taxas de vendas ou o nível de eficiência dos processos, por exemplo. Dessa maneira, a empresa saberá se está inovando de verdade.

Viu só como gerenciar a inovação nas empresas não é tão complicado quanto parece? E acredite: essa inovação se torna ainda mais possível e poderosa quando aliada às mudanças tecnológicas atuais. Para não ficar para trás, confira nosso post sobre transformação digital!

(Visited 375 times, 3 visits today)