Uma das principais características da era digital é a inovação contínua de processos e produtos, que permite o desenvolvimento e o aprimoramento dos mais variados tipos de dispositivos tecnológicos.

Existe, no entanto, o outro lado da moeda dessa realidade: o surgimento de dúvidas ou mesmo o desconhecimento relativo a propriedades de novos conceitos e usos de ferramentas computacionais. É justamente isso o que costuma acontecer com as siglas API e SDK.

Como se tratam de tecnologias com funções importantes para o desenvolvimento de softwares, API e SDK são siglas comumente confundidas por profissionais da área computacional e mesmo por aqueles que, devido a diferentes razões, precisam ter conhecimentos sobre esses recursos.

Essa falta de clareza pode fazer com que o usuário de tais tecnologias cometa erros em sua operacionalização, tornando-as menos eficientes do que poderiam ser.

Levando em conta esse cenário, é muito importante que API e SDK sejam diferenciados de modo correto. É exatamente essa distinção que vamos fazer ao longo deste post. Além disso, abordaremos as principais características e funções de cada uma dessas ferramentas, assim como indicaremos se há possibilidades de elas trabalharem em conjunto. Não deixe de conferir todas essas informações!

O que é API?

API é a sigla correspondente à expressão em língua inglesa Application Programming Interface, a qual, em português, pode ser traduzida como Interface de Programação para Aplicativos. Essa tecnologia consiste em um conjunto de bibliotecas que são formadas por objetos, códigos, métodos e funções, os quais permitem, como o próprio nome já sugere, o interfaceamento eficiente entre softwares ou aplicativos distintos e a sua consequente comunicação.

Portanto, a API é capaz de integrar um determinado sistema computacional a outros dispositivos externos para a execução de uma tarefa. As funcionalidades desses recurso possibilitam que diferentes plataformas interajam umas com as outras, a fim de que operem em um único hardware ou aplicação. A partir das bibliotecas pertencentes à API, o programador pode implementar a integração necessária ao funcionamento conjunto de, pelo menos, dois softwares.

Existem muitas utilidades para essa tecnologia. Quando um software para celular está sendo desenvolvido e há a demanda por um botão de tirar fotos, a solução é utilizar os métodos da câmera disponíveis na API, o que exclui a necessidade de desenvolvimento de todo o código para efetuar o acesso.

Ao ser necessário usar bluetooth para uma tarefa, em vez de implementar a funcionalidade completa que acessará o hardware responsável por esse tipo de comunicação, basta empregar a API referente a ela.

Também há várias fontes de obtenção de APIs. Elas podem ser oferecidas pelo próprio sistema operacional — como API para Android, iOS e Windows — e pelo fabricante de um recurso — como smartwatch — ou de um serviço Web — como o API do Google Maps, em que há a integração das funcionalidades dos mapas no aplicativo.

Com a expansão da computação em nuvem, as APIs tornaram-se fundamentais no mundo corporativo, já que ficou muito mais fácil interfacear sistemas via internet.

O que é SDK?

A sigla “SDK” diz respeito ao termo inglês Software Development Kit, que, em língua portuguesa, recebe a tradução de Kit para Desenvolvimento de Software. Também conhecida pelos profissionais da área da computação como devkit, essa ferramenta consiste em um grupo de recursos de desenvolvimento e códigos com gravação prévia que são utilizados pelos programadores para construir aplicativos destinados a uma plataforma operacional.

Essa tecnologia é, em geral, constituída por um Ambiente Integrado de Desenvolvimento. Esse sistema é equipado de editor que escreve o código, editor visual com a finalidade de estruturar as telas do aplicativo, ferramentas de debug com a função de monitorar e solucionar inconsistências na codificação e um compilador usado na criação do app. Os SDKs contribuem para diminuir o tempo e o esforço que seriam requeridos dos profissionais caso eles fossem escrever os próprios códigos.

Um tipo de SDK é o Android Studio, que consiste em um software usado para desenvolver aplicativos destinados a mobile, como tablets e celulares, que, principalmente, tenham sistema operacional Android.

Os SDKs podem incluir hardware específico de desenvolvimento, como os consoles de videogame. Exemplos de ferramentas acondicionadas com SDKs são dispositivos de criação de mídias — como software de modelagem 3D para games, codecs e representantes de vídeos —, além de depuradores.

Grande parte dos SDKs é acompanhada de tutoriais com exemplos de implementação de código que facilitam o trabalho do programador na hora de iniciarem os seus projetos. Uma característica importante dessa tecnologia é que ela pode usar APIs na integração de aplicativos, condição que pode ajudar a explicar por que há tanta confusão entre esses dois recursos.

A seguir, vamos tratar dessa operação em conjunto.

Como API e SDK podem trabalhar juntos?

É possível ter uma única API exibindo uma série de funcionalidades destinadas à realização de interfaceamento e diversos SDKs para fazer o acesso a ela. Isso ocorre porque uma API oferece interface aos usuários para que acessem recursos de uma plataforma, de modo que, no SDK, pode haver o uso de API no processo de integração com outros aplicativos.

Além disso, um SDK é capaz de fornecer um conjunto de recursos, conexões linguísticas particulares, código de exemplo e classes auxiliares — como código extra que facilita o acesso de uma API — para auxiliar os usuários no desenvolvimento e utilização de APIs.

Quais as principais diferenças entre esses dois recursos?

As três principais diferenças entre API e SDK são:

  • a API realiza a integração entre sistemas, o SDK, não.
  • o SDK possibilita a criação de um aplicativo, a API, não.
  • um SDK pode acoplar APIs, mas o contrário não ocorre.

Uma API oferece um conjunto de bibliotecas que exibem funcionalidades para serem utilizadas na comunicação do aplicativo, ao passo que um SDK disponibiliza um ambiente integrado de desenvolvimento com editor visual, compilador e ferramentas para debug.

Saber as principais diferenças entre API e SDK é muito útil para que esses recursos possam ser corretamente operacionalizados. Assim, se o objetivo é a construção de um aplicativo com a demanda por um dispositivo de desenvolvimento, o SDK da tecnologia deve ser utilizado. Caso a finalidade seja a integração entre o aplicativo e sistemas de terceiros, será preciso usar a API do produto.

Conte sobre sua experiência com API e SDK no campo de comentários abaixo! Ou realize um teste grátis da plataforma de assinatura eletrônica da DocuSign.