Você sabia que o primeiro algoritmo da história foi criado por uma mulher? Pois bem, esta é a importância da figura feminina na tecnologia. Mas quando tentamos imaginar um retrato deste mercado, a imagem que naturalmente vem à mente é a de um homem.

Isso pode ser creditado aos primeiros estímulos da infância, quando as meninas, diferente dos meninos, geralmente são orientadas para caminhos opostos à lógica, raciocínio, engenharia, matemática e ciência – e sem este estímulo, a criança acaba sem vislumbrar a possibilidade de optar por uma área de ciências exatas.

No Brasil, só 15% dos alunos matriculados em cursos de ciência da computação e engenharia são mulheres, e a maioria delas desiste ainda no primeiro ano de curso, de acordo com um estudo da Sociedade Brasileira de Computação. Uma pesquisa da McKinsey, inclusive, aponta que, se houvesse equidade de gênero no mundo, o PIB global teria um aumento de quase US$ 28 trilhões em 10 anos.

No Brasil, só 15% dos alunos matriculados em cursos de ciência da computação e engenharia são mulheres.

Mas mesmo com esta lacuna de gênero se tornando cada vez menor, ainda há muito trabalho pela frente. De acordo com o movimento Girls Who Code, 74% das garotas expressam interesse por ciências, tecnologia, engenharia, computação e matemática antes de iniciar suas carreiras, mas menos de 30% dos empregos nesta área pertence ao sexo feminino.

Por isso, a DocuSign é uma das empresas que se empenha para reter as mulheres no setor de tecnologia, ajuda as que já estão inseridas e têm receio de ingressar ou se manter no mercado e incentivar o crescimento do número de mulheres interessadas em seguir carreira nessa área – para se ter uma ideia, além dos cargos de destaque preenchidos por mulheres, uma licença maternidade de seis meses é garantida para todas as funcionárias.

Em 2016, demos início ao projeto anual “Women in Tech”, que deu voz a dezenas de mulheres influentes e grandes líderes da indústria de inovação e computação na conferência MOMENTUM ’16, criando as novas fundações e referências para o cenário do mercado. A iniciativa reúne importantes figuras femininas para explorar o valor que elas trazem para as empresas na era digital, além de incentivar discursos poderosos e provocantes de algumas das mulheres mais ambiciosas do mundo dos negócios.

Trabalhamos para construir um mercado mais igualitário e justo, dando cada vez mais espaço e relevância para as mulheres.

Como uma das vozes do evento, Lisa Lambert, bem disse: “Espere que você vai precisar da ajuda de alguém e espere que você vai precisar ajudar alguém. É com esse instinto de colaboração que vamos ter sucesso”.

Tudo isso se tornou ainda mais vívido dentro da companhia desde o fim do último ano, com a chegada de Kirsten Wolberg para o posto de Chefe de Tecnologia e Oficial de Operações. Líder nata na área de tecnologia, Kirsten tem mais de 30 anos de experiência com implementação de transformação digital em grandes empresas como Salesforce e PayPal – um ícone do poder feminino nesta indústria.

Passo a passo, trabalhamos para construir um mercado mais igualitário e justo, dando cada vez mais espaço e relevância para as mulheres dentro deste contexto.